Dolorosa e duradoura, ‘chikungunya vai ser surpresa maior que zika’, diz pesquisador

bsbcapitalPor ,03/06/2016 às 16:31, Atualizado em 09/07/2016 às 3:54

Apesar da chegada do inverno, quando diminuem os ataques do mosquito Aedes aegypti – transmissor de dengue, zika e chikungunya -, ele aposta que as doenças continuarão sendo a principal fonte de problemas para o governo do presidente interino Michel Temer. E o impacto maior pode vir de onde menos se espera. Segundo Brito, cientista …

Dolorosa e duradoura, ‘chikungunya vai ser surpresa maior que zika’, diz pesquisador Leia mais »

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Apesar da chegada do inverno, quando diminuem os ataques do mosquito Aedes aegypti – transmissor de dengue, zika e chikungunya -, ele aposta que as doenças continuarão sendo a principal fonte de problemas para o governo do presidente interino Michel Temer.

E o impacto maior pode vir de onde menos se espera.

Segundo Brito, cientista da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) e membro do Comitê Técnico de Aboviroses do Ministério da Saúde, onde atua como consultor, a dispersão da febre chikungunya pelo Nordeste tem deixado um rastro de adultos e idosos com dores crônicas graves que sobrecarrega os serviços de saúde, já impossibilitados de atender a demanda normal.

“O grande desafio para o governo serão essas grandes epidemias. Ainda não sabemos a dimensão do que vai acontecer com a epidemia de zika em outras regiões do país”, disse à BBC Brasil.

“Mas a chikungunya vai trazer mais surpresas do que a própria zika e a dengue. Como pesquisador, tenho ficado impressionado com seus efeitos.”

Enquanto a dengue é capaz de atingir cerca de 5 a 10% de uma população, a chamada “taxa de ataque” da chikungunya pode chegar a 50%, avalia Brito. A zika, cujo percentual de atingidos ainda é desconhecido, deve ficar entre as duas, ele estima.

 

Números subestimados

De acordo com os dados mais recentes divulgados pelo Ministério da Saúde, já são mais de 64 mil notificações de casos de chikungunya até 23 de abril de 2016, contra 38 mil em 2015. Mais de 11 mil casos foram confirmados em todo o país.

Brito, no entanto, diz acreditar que os números são muito maiores.

“Pernambuco, por exemplo, está dizendo que o maior número de casos este ano é de dengue, mas nós vemos pouquíssima dengue na prática. O maior número é de chikungunya, e há uma subnotificação impressionante por uma série de razões, incluindo despreparo dos profissionais para fazer as notificações de forma correta”, afirma.

“Com três vírus circulando no país, o modelo da vigilância epidemiológica não consegue ser mais fiel à verdadeira situação da epidemia.”

Até o dia 24 de maio, Pernambuco registrou mais de 30 mil casos notificados de chikungunya e cerca de 75 mil de dengue, segundo a Secretaria de Saúde do Estado.

 


Câmara aprova MP com medidas de combate à dengue, zika e chikungunya


Pesquisadores da USP comprovam que vírus Zika causa má formação em fetos


Estudo detalha lesões no cérebro de bebês com microcefalia ligada à zika


 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima