Distritais votarão regulamentação do Uber no dia 21 deste mês

BSB Capital 02/06/2016 às 12:51, Atualizado em 09/07/2016 às 3:51

A agressão praticada por taxistas no Aeroporto Juscelino Kubitschek contra três irmãos, espancados por serem confundidos como motorista e usuários do Uber, no último dia 31, foi a gota d´água para a presidente da Câmara Legislativa (CLDF), Celina Leão (PPS). Ela afirmou que submeterá à votação, no próximo dia 21 de junho, o Projeto de …

Distritais votarão regulamentação do Uber no dia 21 deste mês Leia mais »

Uber01
Fotos: Bruno Dornellas/ ASCOM – Celina Leão

A agressão praticada por taxistas no Aeroporto Juscelino Kubitschek contra três irmãos, espancados por serem confundidos como motorista e usuários do Uber, no último dia 31, foi a gota d´água para a presidente da Câmara Legislativa (CLDF), Celina Leão (PPS). Ela afirmou que submeterá à votação, no próximo dia 21 de junho, o Projeto de Lei  n° 777/2015, que trata da regulamentação do transporte individual privado oferecido por meio de aplicativos on-line, serviço prestado pelo Uber.

Apresentado pelo Poder Executivo em novembro de 2015, o projeto já recebeu 41 emendas de parlamentares, e aguarda apreciação pelas comissões da CLDF antes de ser votado em plenário.

Na sessão ordinária da quarta-feira (1º), foi debatida a regulamentação do aplicativo no Distrito Federal. O deputado Prof. Israel Batista (PV), defendeu a nova tecnologia. “Os taxistas têm a seu favor toda uma tradição de seu serviço, mas as agressões registradas ontem (31) mancham essa história… Esse tipo de reação inútil e inaceitável está se repetindo no nosso país”, lamentou.

O distrital se manifestou contra o monopólio do transporte individual de passageiros pelos taxistas, afirmando não haver justificativa econômica para isso. “Hoje, se eu quiser rachar a gasolina com alguém para otimizar o uso do meu carro, estarei cometendo um crime de acordo com a legislação”, disse.

Os ataques contra condutores do Uber fizeram o deputado Cristiano Araújo (PSD) se posicionar contra os taxistas e a exigir que o GDF casse as licenças dos permissionários envolvidos em agressões. “Eu sempre defendi os taxistas aqui e inclusive trabalhei para tentar frear a chegada do Uber na nossa cidade, mas diante dos acontecimentos recentes eu retiro meu apoio aos taxistas”, declarou.

Agaciel Maia (PR) condenou as agressões, mas reiterou a defesa aos motoristas de táxis. “Apelar para a violência é uma burrice inigualável… Mas preciso alertar para o monopólio que o Uber planeja criar em nossa sociedade. Depois que acabarem com os táxis, eles vão subir os preços e todo mundo será refém dessa empresa”, alertou.

Chico Vigilante (PT), por sua vez, criticou o que chamou de exploração dos trabalhadores. “No meu entendimento, a solução depende de licitação pública para permissões de táxi. Se forem dadas as condições, todos os taxistas prestarão um serviço de qualidade”, afirmou.

 


Câmara aprova reajuste de ministros e teto salarial vai para R$ 39 mil


Prazo para Dilma entregar defesa do impeachment termina nesta quarta


Senado aprova projeto que aumenta pena para crime de estupro coletivo


 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima