Decreto diversifica exibição de filmes

BSB Capital 03/01/2014 às 6:40, Atualizado em 03/01/2014 às 6:40

A partir de janeiro, dependendo do número de salas de exibição, os complexos terão que cumprir uma Cota de Tela que varia de 28 a 63 dias por sala e exibir no mínimo entre 3 e 24 filmes nacionais diferentes. A mudança foi determinada por meio do Decreto nº 8.176, de 27 de dezembro de 2013, …

Decreto diversifica exibição de filmes Leia mais »

A partir de janeiro, dependendo do número de salas de exibição, os complexos terão que cumprir uma Cota de Tela que varia de 28 a 63 dias por sala e exibir no mínimo entre 3 e 24 filmes nacionais diferentes. A mudança foi determinada por meio do Decreto nº 8.176, de 27 de dezembro de 2013,  que determina o número de dias e a diversidade mínima de títulos brasileiros a serem exibidos nas salas de cinema do País em 2014 – a Cota de Tela.

O decreto traz algumas mudanças em relação aos parâmetros estabelecidos nos últimos sete anos. Uma novidade é um aumento na obrigatoriedade de exibição de conteúdo nacional para complexos com 8 ou mais salas – cada sala deve, agora, exibir filmes nacionais em pelo menos 60 dias no ano (em 2013, este número era de 56 dias).

Também foram feitos ajustes determinando o aumento na diversidade de títulos a serem exibidos pelos complexos com mais de 5 salas – em 2013, complexos de 5 salas deveriam exibir ao menos sete filmes nacionais; em 2014, este número sobe para oito, aumentando progressivamente até chegar aos 24 títulos diferentes para complexos com 16 ou mais salas.

As adaptações foram feitas com o intuito de buscar maior isonomia entre todos os complexos de exibição existentes no País quanto às obrigações legais. Considerou-se também o constante crescimento no volume de lançamentos de longas-metragens brasileiros.

Os números da Cota de Tela para o próximo ano foram fixados pelo Ministério da Cultura e pela Presidência da República a partir de estudos técnicos elaborados pela Agência Nacional de Cinema (Ancine) após a realização de reunião com representantes do mercado audiovisual.

Líderes de sindicatos e associações ligadas aos setores de produção, distribuição e exibição da indústria cinematográfica participaram da oitiva realizada no início de dezembro, no Rio de Janeiro. No encontro, o diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel, fez um balanço do desempenho do cinema brasileiro em 2013.

Entenda sobre a Cota de Tela:

A Cota de Tela é um mecanismo regulatório, com previsão legal no artigo 55 da Medida Provisória nº 2228-1/2001, que visa assegurar uma reserva de mercado para o produto nacional frente à maciça presença do produto estrangeiro nas salas de cinema.

Ao permitir um escoamento mínimo da produção brasileira, ela amplia o acesso ao público e promove a diversidade dos títulos em cartaz. Trata-se de uma ferramenta adotada em diversos países para promover o aumento da competitividade e a sustentabilidade da indústria cinematográfica nacional. No Brasil, a “reserva de dias” foi empregada pela primeira vez na década de 1930.

Os requisitos e condições de validade para o cumprimento da Cota de Tela são definidos pela Instrução Normativa 88 da Ancine, recentemente atualizada pela Instrução Normativa 113, de 18 de dezembro de 2013.

Deixe um comentário

Rolar para cima