CPI pode convocar diretor da Abin e ajudante de ordens de Bolsonaro

bsbcapitalPor , Agência Senado14/07/2021 às 15:18, Atualizado em 14/07/2021 às 15:18

A CPI da Pandemia pode votar nesta quinta-feira (15) a convocação do diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem. Os senadores querem apurar dois pontos: as suspeitas de que o órgão teria atuado para interferir nos trabalhos da comissão e a insinuação do presidente Jair Bolsonaro de que o coronavírus teria sido criado …

CPI pode convocar diretor da Abin e ajudante de ordens de Bolsonaro Leia mais »

A CPI da Pandemia pode votar nesta quinta-feira (15) a convocação do diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem. Os senadores querem apurar dois pontos: as suspeitas de que o órgão teria atuado para interferir nos trabalhos da comissão e a insinuação do presidente Jair Bolsonaro de que o coronavírus teria sido criado pela China como arma em uma suposta “guerra química”.

Alexandre Ramagem, diretor-geral da Abin

Ramagem é alvo de três requerimentos de convocação, dois assinados pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e um por Tasso Jereissati (PSDB-CE). Segundo Randolfe, a Abin foi usada “como instrumento de intimidação dos membros” da CPI. Uma mensagem encaminhada em maio a agentes de inteligência determinava uma “compilação de dados” sobre “irregularidades relacionadas à pandemia” em “âmbito estadual e municipal”. No segundo requerimento, Randolfe Rodrigues destaca que a Abin negou o envio de documentos requisitados em junho pela comissão.

O senador Tasso Jereissati quer que Alexandre Ramagem explique uma declaração feita em maio por Jair Bolsonaro. Na ocasião, o presidente da República insinuou que a China pode ter criado o coronavírus em laboratório como arma para uma “guerra química. “Trata-se de gravíssima revelação com implicações nas relações internacionais e de enormes repercussão inclusive na paz mundial. Sendo a Abin a fonte primeira de informações ao presidente da Republica, faz-se necessária a convocação do diretor-geral para que compartilhe, ainda que de forma sigilosa, as informações obtidas”, argumenta Jereissati.

Ajudante de ordens

A CPI pode votar ainda a convocação de um ajudante de ordens de Jair Bolsonaro, o capitão de corveta da Marinha Jonathas Diniz Vieira Coelho. Ele trocou mensagens com o deputado Luis Miranda (DEM-DF) sobre o contrato do Ministério da Saúde com a Precisa Medicamentos para a aquisição da vacina Covaxin. O requerimento é do senador Randolfe Rodrigues.

Os senadores também podem decidir sobre a convocação de Adolfo Sachsida, secretário de Política Econômica do Ministério da Economia. Em novembro de 2020, Sachsida afirmou que considerava “baixíssima a probabilidade de uma nova onda de coronavírus no país”. Segundo ele, a chamada “imunidade de rebanho” já estaria sendo alcançada no país e haveria pouca chance de uma nova escalada da pandemia.

Voos

O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), apresentou requerimentos para que as empresas aéreas Latam, Azul e Gol informem os registros de voo realizados pelo deputado estadual Fausto Júnior (PRTB-AM) e familiares dele no trecho Manaus—São Paulo—Manaus nos últimos dois anos. Relator da CPI da Saúde da Assembleia Legislativa, ele depôs à CPI da Pandemia e foi criticado por não ter indiciado o governador Wilson Lima pelo caos provocado pelo coronavírus no estado.

Fonte: Agência Senado

Deixe um comentário

Rolar para cima