CPI da Petrobras aprova requerimentos para ouvir 35 pessoas

BSB Capital 15/05/2014 às 8:38, Atualizado em 15/05/2014 às 8:38

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras no Senado aprovou nesta quarta-feira 35 requerimentos para ouvir personagens ligados às denúncias envolvendo a estatal petrolífera. Foram convocados a presidente da empresa, Graça Foster, e seu antecessor José Sérgio Gabrielli, além do ex-diretor da área internacional da petroleira, Nestor Cerveró. Com maioria folgada na comissão, o …

CPI da Petrobras aprova requerimentos para ouvir 35 pessoas Leia mais »

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras no Senado aprovou nesta quarta-feira 35 requerimentos para ouvir personagens ligados às denúncias envolvendo a estatal petrolífera. Foram convocados a presidente da empresa, Graça Foster, e seu antecessor José Sérgio Gabrielli, além do ex-diretor da área internacional da petroleira, Nestor Cerveró.

Com maioria folgada na comissão, o governo conseguiu evitar a convocação de Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente à época da compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, em 2006. Foi essa transação, que segundo Graça Foster causou prejuízo de US$ 530 milhões à Petrobras, que motivou a criação da CPI. O pedido foi feito pelo único integrante presente da oposição, Cyro Miranda (PSDB-GO). Ele disse que na época da aprovação da compra da refinaria, Lula, na condição de presidente da República, era o “mandatário de tudo”.

“Entendo que, nesse momento, a convocação do ex-presidente Lula é algo completamente desvinculado do trabalho que estamos fazendo, sem nenhum propósito, a não ser o propósito de enfrentar essa temática do ponto de vista político”, disse o líder do PT, Humberto Costa (PE), ao votar pela rejeição do pedido.

A comissão aprovou ainda um requerimento à Petrobras solicitando cópia dos pareceres e estudos técnicos que subsidiaram o Conselho de Administração da estatal na compra da refinaria de Pasadena. Quem presidia o conselho, que deu aval à operação, era a atual presidente da República, Dilma Rousseff.

Em nota oficial, Dilma afirmou, após a abertura de investigações no Tribunal de Contas da União (TCU), Polícia Federal e Ministério Público, que só aprovou a compra dos primeiros 50% da refinaria porque o relatório apresentado ao conselho pela empresa era “falho” e omitia duas cláusulas que acabaram gerando mais gastos à estatal.

Entre os requerimentos também estão convites ou convocações para ouvir pessoas ligadas ao governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, como o ministro José Jorge, do Tribunal de Contas da União (TCU), que foi ministro de Minas e Energia na gestão tucana, e David Zylbersztajn, ex-diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP) na mesma época.

Oficialmente, a justificativa é que a comissão deve investigar também contratos mais antigos da estatal, como o da plataforma P-36, que afundou em 2001 na Bacia de Campos, no Rio de Janeiro. Na prática, a intenção do governo é montar uma barreira para estancar as críticas da oposição sobre a atual gestão da Petrobras.

Deixe um comentário

Rolar para cima