CPI da Petrobras aprova relatório que isentou políticos investigados

bsbcapitalPor ,22/10/2015 às 8:50, Atualizado em 22/10/2015 às 8:50

  Relatório final foi aprovado por 17 votos a 9, com uma abstenção. Texto isenta de responsabilidade Dilma, Lula, Foster e Gabrielli   A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras aprovou na madrugada desta quinta-feira (22) o relatório final apresentado pelo deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), por 17 votos a 9, com uma abstenção. O relatório …

CPI da Petrobras aprova relatório que isentou políticos investigados Leia mais »

CPI Petrobras
 
Relatório final foi aprovado por 17 votos a 9, com uma abstenção. Texto isenta de responsabilidade Dilma, Lula, Foster e Gabrielli
 

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras aprovou na madrugada desta quinta-feira (22) o relatório final apresentado pelo deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), por 17 votos a 9, com uma abstenção. O relatório isenta de responsabilidade nas denúncias de corrupção na estatal políticos investigados na Lava Jato e também os ex-presidentes da empresa José Sérgio Gabrielli e Graça Foster.

O relator incluiu a sugestão de indiciamento de ao menos 70 pessoas. Estão na lista de pedido de indiciados os ex-diretores da Petrobras Paulo Roberto Costa e Renato Duque, os ex-gerentes Pedro Barusco e Venina Velosa e o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

A comissão, porém, ainda vai analisar destaques que podem retirar trechos do texto ou acrescentar outros contidos nos pedidos apresentados pelos deputados Altineu Côrtes (PR-RJ), Bruno Covas (PSDB-SP), Andre Moura (PSC-SE) e Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP).

Deputados do PMDB, PSDB, Psol, PPS, PHS e PSD criticaram o relatório de Luiz Sérgio. Os votos em separado apresentados pelos deputados Antonio Imbassahy (PSDB-BA), Carlos Marun (PMDB-MS) e Ivan Valente (Psol-SP) foram rejeitados e serão considerados apenas votos individuais de seus autores.

Ivan Valente queria o indiciamento de políticos denunciados pelo Ministério Público por irregularidades na Petrobras, como o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), o deputado Arthur Lira (PP-AL) e os senadores Benedito de Lira (PP-AL) e Fernando Collor (PTB-AL). Todos negam ter recebido dinheiro desviado da Petrobras.

Antonio Imbassahy queria responsabilizar o ex-presidente Lula, a presidente Dilma Rousseff (ex-presidente do Conselho Administrativo da estatal) e os ex-presidentes da Petrobras José Sérgio Gabrielli e Graça Foster.

Já Carlos Marun (PMDB-MS) queria que o relatório deixasse explícito que houve corrupção institucionalizada na Petrobras.

O relatorio final da CPI da Petrobras foi apresentado na noite de segunda-feira (19).

A leitura do texto foi marcada por bate-boca, que interrompeu a apresentação (veja vídeo abaixo).

“Registro que, nos depoimentos da Operação Lava Jato, não há menção sobre o envolvimento dos ex-presidentes da Petrobras José Sérgio Gabrielli e Graça Foster ou de ex-conselheiros da estatal, como a presidente Dilma Rousseff. Também não há nos autos desta CPI qualquer evidência neste sentido ou ainda em relação ao ex-presidente Lula ou à presidente Dilma”, justificou Sérgio em seu relatório.

‘Petrobras vítima de cartel’
Segundo Luiz Sérgio, a principal conclusão do seu parecer é a constatação de que a Petrobras “foi vítima de um cartel de fornecedores com a cumplicidade de alguns maus funcionários”.

Ele ressaltou, em seu relatório, que o “clube de empreiteiras”, que combinavam a participação em concorrências da estatal, não surgiu nos governos petistas, mas “existia desde governos passados”, e disse que a “descoberta do pré-sal, já no governo Lula, estimulou a cobiça dessas empresas”.


 

Leia mais:


 

Dilma diz que cortar Bolsa Família é atentar contra 50 milhões de brasileiros


Motoristas poderão parcelar multas de trânsito em até 12 vezes


Governo prevê sobrevida de Cunha na chefia da Câmara


 

Deixe um comentário

Rolar para cima