Cartaz afixado perto de colégio da Asa Sul preocupa comunidade escolar

bsbcapitalPor ,19/02/2015 às 8:48, Atualizado em 19/02/2015 às 8:48

Um recado misterioso colocado em frente a um colégio particular, na 615 Sul, mobilizou a comunidade escolar e assustou professores, funcionários e pais. Um cartaz afixado na estrutura de um semáforo oferecia um número de celular para conversas e trocas de mensagens por meio de aplicativos de smartphones. Os dizeres atraem para uma amizade gratuita: …

Cartaz afixado perto de colégio da Asa Sul preocupa comunidade escolar Leia mais »

Um recado misterioso colocado em frente a um colégio particular, na 615 Sul, mobilizou a comunidade escolar e assustou professores, funcionários e pais. Um cartaz afixado na estrutura de um semáforo oferecia um número de celular para conversas e trocas de mensagens por meio de aplicativos de smartphones. Os dizeres atraem para uma amizade gratuita: “Precisando de um amigo? Não vou te cobrar nada”. Com medo de possível risco e vulnerabilidade dos alunos, o Colégio Marista de Brasília Ensino Médio emitiu uma circular para informar aos pais sobre a situação. A Polícia Civil entrou no caso e investiga o paradeiro do envolvido.

Imagens do sistema de câmeras do colégio gravaram a ação do responsável pelo cartaz. Por volta das 22h30 de terça-feira da semana passada, um jovem se aproxima do local e cola a mensagem no sinal. A gravação foi entregue à 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul), e funcionários da instituição registraram ocorrência na quarta-feira.

 

Breno Fortes/CB/D.A Press

A diretoria também retirou o cartaz. Mãe de uma adolescente de 15 anos do ensino médio, Maria Cláudia Lisboa, 56 anos, demonstrou preocupação com o caso. A professora relatou a apreensão do que pode estar por trás da oferta. “Determinadas pessoas aproveitam as facilidades para, às vezes, cometer algum tipo de crime. Adolescentes, em geral, não têm malícia e nunca pensam duas vezes antes de fazer alguma coisa. A internet é uma praça onde cada um faz o que quer. Isso é muito perigoso”, afirmou.

Deixe um comentário

Rolar para cima