Carência afetiva – causas e soluções

mmPor ,14/03/2015 às 10:59, Atualizado em 14/03/2015 às 10:59

O terapeuta Wanderley Oliveira, no livro “Abraço de Pai João”, tece considerações importantes a respeito deste tema, doença que sempre existiu, mas que se aprofundou nesses tempos de isolamento, desconfiança e falta de tempo dos pais para com os filhos. Segundo Wanderley, a carência afetiva atrapalha o indivíduo, notadamente nos relacionamentos, porque o carente é …

Carência afetiva – causas e soluções Leia mais »

O terapeuta Wanderley Oliveira, no livro “Abraço de Pai João”, tece considerações importantes a respeito deste tema, doença que sempre existiu, mas que se aprofundou nesses tempos de isolamento, desconfiança e falta de tempo dos pais para com os filhos.

Segundo Wanderley, a carência afetiva atrapalha o indivíduo, notadamente nos relacionamentos, porque o carente é alguém que também tem medo de  ser rejeitado e ficar só. Para suprir esse medo, ele deixa de ser criterioso a respeito dos relacionamentos.

A pessoa carente fica presa em um ciclo de relacionamento vicioso e não consegue romper. Para que a ruptura desse processo doentio aconteça, é preciso que três atitudes indispensáveis entrem em ação: muita orientação terapêutica, apoio e decisão.

A forma como lidamos com o que nos falta é que vai fazer ou não diferença em nossa vida. O carente é antes de tudo um egoísta. Reconhecer isso é o primeiro passo, é a vacina que cura. Exigir amor do outro é sinal de profunda imaturidade emocional.

O amor é o antídoto da carência afetiva. Mas não o amor que transfere responsabilidades afetivas a alguém, e sim o movimento de amar a si mesmo e ao outro, sentindo que o amor que se dispensa pulsa também na sua direção como um efeito natural do ato de dar sem esperar nada em troca, de realizar sem a necessidade de retorno.

A vida é abundante e nosso coração transborda não só quando recebemos, mas, principalmente, quando damos afeto. O carente é alguém que se sente vazio e só pensa em preencher esse vazio através de outra pessoa. Quer ser cuidado e não se cuidar e está sempre esperando receber, mas quando aprende a amar procura alguém para agregar valores, experiências e momentos felizes. Porém, não depende disso para ser feliz. Tem expectativas e as dosa com equilíbrio a ponto de, se necessário for, abrir mão delas sem responsabilizar ninguém.

Deixe um comentário

Rolar para cima