Cabeça do Dragão: a busca pelo sentido da vida

BSB Capital 03/04/2016 às 19:59, Atualizado em 09/07/2016 às 3:54

Fernanda Sampaio (*)    Na Astrologia, a Cabeça do Dragão diz respeito sobre quais aspectos o indivíduo precisa trilhar para ajudar na sua evolução, e a Cauda significa tudo aquilo que ele traz de habilidade e bagagem de sua vivência. Embora eu ache o estudo da Astrologia interessante, ela nunca foi o meu foco de …

Cabeça do Dragão: a busca pelo sentido da vida Leia mais »

Fernanda Sampaio (*) 

 

Na Astrologia, a Cabeça do Dragão diz respeito sobre quais aspectos o indivíduo precisa trilhar para ajudar na sua evolução, e a Cauda significa tudo aquilo que ele traz de habilidade e bagagem de sua vivência.

Embora eu ache o estudo da Astrologia interessante, ela nunca foi o meu foco de conhecimento. Mas saber dessa analogia e poder vivenciar um pouco sobre o assunto, me ajudou a ver com mais clareza uma questão que considero das mais essenciais da vida e que procuro trabalhar com todos os meus pacientes: a busca do sentido da nossa existência.

Essas são perguntas que constantemente fazemos: por que estou aqui? Qual o meu propósito nesta vida? As respostas são individuais. Particularmente, acredito que só a própria pessoa tem condições de responder. É a voz do coração e da intuição que nos orienta para encontrá-las. Nossa mania de buscar as respostas fora da gente não nos auxilia a descobrir o sentido da vida.

O propósito pode ser familiar, amoroso, profissional ou pessoal. Para alguns, pode ter relação com o dinheiro (tê-lo ou perdê-lo?); para outros, superação física (deficiências, doenças), aprender a aceitar, a persistir, aprender a amar a alguém e a si mesmo. Enfim, não há caminho certo ou errado. Há o caminho que só nós podemos encontrar.

A analogia da Cabeça e Cauda do Dragão me fez perceber que, muitas vezes, achamos que o nosso propósito está na Cauda, naquilo que já sabemos fazer, no que temos habilidades e mais facilidades para conseguir. E o que deveria ajudar a encontrar o nosso destino acaba se tornando um ponto cego, que dificulta encontrar o nosso propósito. É ir além do que achamos que sabemos e aprendemos coisas novas.

Por isso, o nosso propósito, em geral, se encontra nos nossos maiores desafios e naqueles setores que temos maior dificuldade interna. Acredito que quando encontrarmos a direção certa de nosso caminho (o que classifico como propósito), viver ficará mais fácil. Porque agora é só ajustar para que tudo que façamos esteja dentro dessa busca.

Assim, estaremos sendo coerentes com o que o nosso coração nos pede, ficando em paz e contentes por nos ver crescer, amadurecer e expandir.

 

(*) Psicóloga, Psicodramatista, Terapeuta sexual, Palestrante, Especialista em Brainspotting e EMDR

Deixe um comentário

Rolar para cima