Áudios indicam interferência política em decisões de Janot na PGR

BSB Capital 16/06/2017 às 16:37, Atualizado em 18/09/2017 às 21:17

Segundo informações da IstoÉ, promotora denuncia perseguição do procurador-geral a parlamentares e colegas

Reportagem da revista IstoÉ divulgada nesta quinta-feira (15) indica que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, tem articulado politicamente suas decisões. Ainda que controvérsos, os diálogos mostram que o PGR teria interferido no depoimento de Joesley Batista à Polícia Federal para prender procurador federal rival de Janot no Ministério Público Federal (MPF)

A reportagem se baseia na gravação de duas ligações telefônicas, obtidas com exclusividade pela revista, interceptadas pela PF no âmbito da operação Lava Jato. Não é revelado qual dos interlocutores da conversa é o investigado.

Ouça:

O áudio traz Caroline Maciel, chefe da PGR (Procuradoria Geral da República) no Rio Grande do Norte em diálogo com o colega Ângelo Goulart, preso após delação de Joesley. Na conversa, Caroline alerta sobre a perseguição feita por Janot a apoiadores de Raquel Dodge, favorita de Temer ao cargo de Procurador-Geral e rival de Janot dentro do MPF. Confira os áudios divulgados pela revista.

Caroline — A coisa lá parece que vai ser pesada, pelo menos a estratégia de guerra … e tá se falando lá pelo gabinete que o Janot vai tentar ficar só pra Raquel não ficar.

Goulart — Esse negócio é muito ruim, esse ambiente.

Caroline — Muito ruim. Eu estou te falando, porque eu adoro você. E vi seu nome virando pelos meios lá. Ficou tipo assim como inimigo.

Goulart — É um jogo, cara, tá um clima horrível isso aí.

Caroline — É nesse jogo acaba que gente que não tem nada a ver pode se prejudicar, sabe?

Caroline — A conversa que rola é que você estaria ajudando Raquel. Estou te avisando porque parece que a guerra está num nível que eu não consigo nem imaginar porque eu não sou desse tipo de coisa. Inclusive, pelo que eu senti, a tática de Janot é apavorar quem estiver do lado de Raquel

 

Ângelo Goulart acabou sendo preso em 18 de maio, sete dias após a gravação, acusado de receber dinheiro para repassar informações ao empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, a respeito de investigações que o envolviam na Operação Greenfield, que investiga corrupção, lavagem de dinheiro e fraudes em fundos de pensão de funcionários de estatais. Segundo o dono da JBS, Goulart recebeu suborno para repassar informações sigilosas sobre a ação. A prisão foi decretada pelo ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, a pedido da Procuradoria-Geral da República.

O procurador preso seria o citado por Joesley Batista ao presidente Michel Temer em conversa gravada no palácio do Jaburu, em Brasília. Naquela ocasião, o empresário comenta ao presidente sobre a ‘compra’ de um procurador da República para ajudar os acionistas da holding com informações sobre as investigações em andamento.

Ocorre que, inicialmente, em seus depoimentos sob delação premiada, Batista negou aos procuradores que o acordo com o procurador fosse para valer. Segundo ele, tratava-se de um “blefe” aplicado contra o presidente. Dias depois, quando as negociações com a Procuradoria avançaram, ele resolveu mudar o depoimento e garantiu que, sim, a compra do informante era real.

Neste ponto a revista Istoé aponta que a mudança de discurso de Batista diante dos procuradores teria sido influenciada diretamente por Rodrigo Janot e sua equipe, e que a prisão de Goulart seria mais um episódio da perseguição de Janot a apoiadores de Raquel Dodge ao cargo máximo da PGR, que inclui na lista o presidente Michel Temer e o senador José Agripino Maia (DEM-RN), que segundo a procuradora Caroline Maciel, entrou na mira de Janot ao definir apoio a Raquel Dodge.

“É o seguinte. O Rodrigo (Rodrigo Telles de Souza, procurador da Lava Jato no STF) está muito preocupado porque ouviu (…) ele disse que se fala lá nessa história de José Agripino ter prometido apoio a Raquel. E querem de alguma forma agora lascar José Agripino”, diz Caroline a Goulart na gravação interceptada.

No diálogo registrado, Caroline ainda cita uma “estratégia de guerra” para Janot se manter no cargo.

— Tô te dizendo isso porque a coisa lá parece que vai ser pesada, pelo menos a estratégia de guerra, e tá se falando lá pelo gabinete que Janot vai tentar ficar só pra Raquel não ficar. Se você quiser apoiar que você quiser, você pode apoiar. Isso tem que ser uma coisa democrática. Meu Deus do céu. Mas parece que tá assim: se você está com um você é inimigo do outro.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deixa o cargo em 17 de setembro, e acabou recuando da ideia de um terceiro mandato, mas, de acordo com a revista Istoé, permanece empenhado, mais do que nunca, em evitar a ascensão de Raquel Dodge. Concorrem contra ela, Nicolao Dino e Mário Bonsaglia, hoje os preferidos do procurador-geral.

Leia a íntegra da reportagem}

Deixe um comentário

Rolar para cima