Assassinatos de jovens de 16 e 17 anos cresceram sete vezes entre 1980 e 2013

bsbcapitalPor ,30/06/2015 às 11:58, Atualizado em 30/06/2015 às 11:58

Dados do novo Mapa da Violência mostram que o número de assassinatos de crianças e adolescentes de 0 a 19 anos cresceu mais de cinco vezes e meia entre 1980 e 2013. Especificamente entre os jovens de 16 e 17 anos o crescimento foi ainda maior: sete vezes. De acordo com os dados, 93% dos …

Assassinatos de jovens de 16 e 17 anos cresceram sete vezes entre 1980 e 2013 Leia mais »

Grupos contra a  PEC da redução da maioridade penal estão acampados  em frente ao Congresso Nacional. Foto:Marcelo Camargo/Agência Brasil
Grupos contra a PEC da redução da maioridade penal estão acampados em frente ao Congresso Nacional. Foto:Marcelo Camargo/Agência Brasil

Dados do novo Mapa da Violência mostram que o número de assassinatos de crianças e adolescentes de 0 a 19 anos cresceu mais de cinco vezes e meia entre 1980 e 2013. Especificamente entre os jovens de 16 e 17 anos o crescimento foi ainda maior: sete vezes.

De acordo com os dados, 93% dos casos de assassinato são de meninos e rapazes. Oito de cada dez deles não terminaram o ensino fundamental (e 20% eram analfabetos funcionais). Para cada homicídio de um jovem branco houve três homicídios de jovens negros.

Os resultados colocam o Brasil na terceira posição entre os países que mais matam jovens, atrás apenas do México e de El Salvador.

Os dados estão disponíveis na internet no site mapadaviolencia.org.br e foram apresentados pela primeira vez na noite desta segunda-feira (29) na CPI do Assassinato de Jovens no Senado Federal pelo sociólogo Júlio Jacobo, autor do estudo.

O pesquisador, Júlio Jacobo, elabora o Mapa da Violência a partir de dados do IBGE, do SUS e da Organização Mundial da Saúde. Segundo ele, para tentar solucionar o problema o Brasil trata apenas das consequências mas não das razões sociais. “O primeiro passo da cura: a consciência da enfermidade. Se a gente não é consciente sobre quais são os nossos problemas, nunca vamos solucioná-los.”

Júlio Jacobo apresentou o Mapa da Violência em audiência conjunta com o cientista político e antropólogo Luiz Eduardo Soares, ex-Secretário Nacional de Segurança Pública.

A audiência foi acompanhada apenas pela presidente da CPI, Lídice da Mata (PSB-BA). Para Luiz Eduardo Soares, a audiência vazia foi sintomática. “Essa desatenção dos personagens sociais se extende aos argumentos que chamam atenção para esse fenômeno. Então hoje foi um pouco essa cena reproduzida, um auditório com pessoas excelentes, e é como se o debate não tivesse relevância, ele ficou também um pouco negligenciado.”

A divulgação dos resultados do Mapa da Violência ocorreu na véspera da provável votação na Câmara dos Deputados da emenda constitucional 171 que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos nos casos de crimes hediondos, homicídio e roubo qualificado.

Já no Senado está pronto para votação em Plenário, com regime de urgência, o projeto de lei que estende de três para oito anos o período máximo de internação em regime especial de atendimento socioeducativo, para jovens que praticarem crimes hediondos.


Saiba mais:


Deputados votam hoje PEC da redução da maioridade penal


Reduzir maioridade penal não vai resolver violência, diz Unicef


Aprisionar os menores de 18 anos não vai fazer a violência diminuir, diz ex-detento


 

 

Deixe um comentário

Rolar para cima