Animais correm risco de extinção no DF

bsbcapitalPor ,30/01/2013 às 8:32, Atualizado em 30/01/2013 às 8:32

A relação do Ibram será publicada e deve servir de referência para futuras ações de preservação e conservação do meio ambiente Família de veados-campeiros, também no Parque Nacional, busca refúgio após fogo na vegetação: risco Uma lista de animais ameaçados de extinção deixa transparecer como uma região trata a própria fauna. E, mais do que …

Animais correm risco de extinção no DF Leia mais »

A relação do Ibram será publicada e deve servir de referência para futuras ações de preservação e conservação do meio ambiente

Família de veados-campeiros, também no Parque Nacional, busca refúgio após fogo na vegetação: risco (Kleber Lima/CB/D.A Press - 14/10/04)
Família de veados-campeiros, também no Parque Nacional, busca refúgio após fogo na vegetação: risco

Uma lista de animais ameaçados de extinção deixa transparecer como uma região trata a própria fauna. E, mais do que isso, permite direcionar as políticas ambientais para garantir a preservação das espécies vulneráveis. Obrigatória por lei em todas as unidades da Federação desde dezembro de 2011, o Instituto Brasília Ambiental (Ibram), em parceria com pesquisadores, elabora a relação da fauna do Distrito Federal e de Goiás que corre o risco de desaparecer. O trabalho deve ser concluído ainda neste ano e vai virar decreto distrital e um livro de alerta vermelho. A revisão será feita a cada cinco anos.


Lobo-guará, onça-pintada, tatu-canastra e tamanduá-bandeira são fortes candidatos a entrar para a publicação. Apesar de o levantamento não estar pronto, os coordenadores dos grupos responsáveis pelo trabalho apontam, com base em pesquisas anteriores, que alguns animais se encontram vulneráveis por aqui e no cenário nacional. No DF, há registros de 833 espécies de vertebrados. Do total, 26 estão na relação de risco de extinção do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).


Fonte: Correio Braziliense

Extratos dos Jornais

Deixe um comentário

Rolar para cima