Andrés vê como justa punição ao Timão e critica donos de liminares

bsbcapitalPor ,01/03/2013 às 14:42, Atualizado em 01/03/2013 às 14:42

 Andrés Sanches, ex-presidente do Corinthians, concorda com a Conmebol que o clube tem de ser punido pela morte do boliviano Kevin Espada, atingido por um sinalizador disparado da torcida do Timão, em Oruro, no empate por 1 a 1 com o San José, pela Libertadores. Mas desde que valha o mesmo para todos os clubes. …

Andrés vê como justa punição ao Timão e critica donos de liminares Leia mais »

 Andrés Sanches, ex-presidente do Corinthians, concorda com a Conmebol que o clube tem de ser punido pela morte do boliviano Kevin Espada, atingido por um sinalizador disparado da torcida do Timão, em Oruro, no empate por 1 a 1 com o San José, pela Libertadores. Mas desde que valha o mesmo para todos os clubes.
– Se valer para todos os clubes, se servir para moralizar a competição, acho perfeito. Se for de mentira, de fachada, é ridículo. O Corinthians tem que pagar, mas os outros também têm. Quase teve morte entre Peñarol e Vélez (depois da morte de Kevin) e até agora não tem punição – disse Sanches à Folha de S.Paulo.

Proibido de receber torcida na Libertadores por pelo menos 60 dias, o Corinthians viu quatro torcedores, munidos de liminares conquistadas na Justiça, conseguirem entrar no Pacaembu para a vitória por 2 a 0 sobre o colombiano Millonarios, na última quarta-feira. Andrés Sanches não gostou disso.
– Como corintianos, eles foram ridículos. Respeito que busquem seus direitos, mas eles podem prejudicar o clube – falou o ex-presidente, lembrando que a Conmebol pediu um relatório sobre a presença dos quatro torcedores no Pacaembu.
Na entrevista ao jornal, Andrés Sanches criticou também o presidente da CBF, José Maria Marin, e seu vice, Marco Polo Del Nero. Disse que saiu da entidade porque os dois contrataram Felipão sem o seu consentimento, que não pensa em concorrer à presidência da CBF muito menos voltar a ser mandatário do Timão em 2015.
Fonte: Globo Esporte

Deixe um comentário

Rolar para cima