Alimentação, depressão e demência: existe relação?

mmPor ,11/05/2015 às 9:20, Atualizado em 11/05/2015 às 9:20

A resposta é sim para a pergunta feita no título acima. Então, vamos tentar entender em que ponto a alimentação torna-se um fator de risco para a demência.  Inflamações crônicas podem estar associadas com neurodegenerações, responsáveis por causar depressão e demência no idoso. Em muitos casos, a depressão pode anteceder casos de doença de Alzheimer …

Alimentação, depressão e demência: existe relação? Leia mais »

A resposta é sim para a pergunta feita no título acima. Então, vamos tentar entender em que ponto a alimentação torna-se um fator de risco para a demência.  Inflamações crônicas podem estar associadas com neurodegenerações, responsáveis por causar depressão e demência no idoso. Em muitos casos, a depressão pode anteceder casos de doença de Alzheimer e manifestações precoces de demência.  As inflamações crônicas são conhecidas como as maiores causas de depressão, e estão frequentemente associadas com doenças cardíacas, hipertensão arterial, diabetes, diferentes tipos de doenças autoimunes e câncer.

Pacientes depressivos que não fazem tratamento têm um aumento nos níveis de citocinas (substâncias) pró-inflamatórias (IL-6, proteína C-reativa, IL1, TNF) e consequentemente diminuição das anti-inflamatórias (IL-4, IL-10).  Níveis elevados de citocinas pró-inflamatórias causam aumento de macrófagos no cérebro, o que também caracteriza resposta inflamatória nessa região.

E aonde entra a alimentação como fator de risco para a depressão e as doenças neurodegenerativas? É que os alimentos podem modular essas respostas inflamatórias no nosso corpo. Portanto, temos alimentos que promovem a inflamação, e esses são os que estão relacionados com as doenças citadas acima.

Esses alimentos de risco são fontes de gorduras saturadas (em excesso), a gordura trans (ou hidrogenada), o açúcar (em excesso) ou os cereais refinados que apresentam alta carga glicêmica. Além disso, a ciência cada vez mais relaciona a presença de uma dieta rica em glúten com esses processos inflamatórios.

Alguns estudos provaram que a sensibilidade ao glúten é comum em pacientes com doenças neurológicas de causa desconhecida, o que leva os pesquisadores a acreditar que a sensibilidade ao glúten pode ter significância na etiologia (origem) dessas doenças.

Algo certamente a ser mais investigado, mas que nos leva a refletir sobre a qualidade do nosso envelhecimento.

 

Leia Mais:

Câmara aprova retrocesso na rotulagem de transgênicos

 

Gastronomia Funcional

Qual a diferença entre veganismo e vegetarianismo?

Deixe um comentário

Rolar para cima