Alegria Gay

bsbcapitalPor ,31/08/2013 às 10:08, Atualizado em 31/08/2013 às 10:08

Irreverência, alegria, descontração, bom humor e apenas uma briga isolada, sequer registrada como ocorrência policial, marcaram a 8ª Parada Gay de Taguatinga, no domingo (25). A madrinha e organizadora, Allice Bombom, destaca que a luta é antiga, mas tem ganhado força. “O mais importante de tudo é nos reunirmos por um bem comum e defender …

Alegria Gay Leia mais »

Irreverência, alegria, descontração, bom humor e apenas uma briga isolada, sequer registrada como ocorrência policial, marcaram a 8ª Parada Gay de Taguatinga, no domingo (25). A madrinha e organizadora, Allice Bombom, destaca que a luta é antiga, mas tem ganhado força. “O mais importante de tudo é nos reunirmos por um bem comum e defender uma grande causa. Além da conscientização, buscamos promover o entretenimento”.

A edição 2013 da Parada Gay teve como tema ‘Não há cura para quem não está doente’, em referência ao projeto apelidado de ‘cura gay’. Mas os militantes não pouparam críticas ao administrador da cidade, Carlos Jales. Segundo a organização, o evento não teve apoio da Administração Regional.

Grupos de defesa dos direitos homoafetivos aproveitaram o encontro para colher assinaturas de apoio a projetos. “Nós queremos, de fato, o casamento sem questionamentos nos cartórios e o direito de andar com nossos parceiros nas ruas, sem julgamentos”, declara o presidente do grupo Basta Homofobia, Francisco Albuquerque.

A atração mais aguardada da noite foi a apresentação da cantora Wanessa. Em meio às músicas, ela declarou estar orgulhosa por poder participar do manifesto. “Quero parabenizar vocês por erguerem a cabeça todos os dias e não terem medo de dizer quem vocês são. Fora preconceito! Fora o armário!”, bradou a artista, em meio a aplausos.

Faltou Preparo

O estudante Marlon Ezequiel, morador de Taguatinga Sul, fez ressalvas quanto à organização. “Não havia alternativas de passagem, barulho dos trios e o acúmulo de lixo poderiam ter sido melhor planejados se a Administração tivesse agido em parceria com a organização da Parada”. O Detran, que acompanhou toda a movimentação, liberou o trânsito à medida que a marcha avançava pela Comercial.

De acordo com a polícia, não houve registro de ocorrência, exceto casos de excesso de consumo de bebidas alcoólicas, atendidos pelos bombeiros. O jornalista George Marques conta, porém, que presenciou abuso da PM. “Estive com uns amigos quando muitos presenciaram a ação truculenta da PM. Por conta da briga entre duas pessoas, em meio à multidão, os policiais usaram spray de pimenta, mesmo depois da briga encerrada”. George conta que várias pessoas passaram mal e muitas foram embora, assustados.

A assessoria da PMDF disse, por meio de comunicado, desconhecer o fato, mas prometeu apurar para tomar as medidas cabíveis.

Deixe um comentário

Rolar para cima