Especulações e trocas de partidos miram as eleições de 2018

gabrielpontesPor ,19/02/2016 às 22:34, Atualizado em 09/07/2016 às 3:53

 Novos e velhos grupos políticos se articulam para lançar candidatos à vaga de Rollemberg   2018 é logo ali. No Distrito Federal, por não haver eleições municipais, como no restante do país, os políticos já miram as próximas eleições majoritárias para traçar planos e montar coligações. Com a promulgação, na quinta-feira (18), da Proposta de …

Especulações e trocas de partidos miram as eleições de 2018 Leia mais »

 Novos e velhos grupos políticos se articulam para lançar candidatos à vaga de Rollemberg

 

2018 é logo ali. No Distrito Federal, por não haver eleições municipais, como no restante do país, os políticos já miram as próximas eleições majoritárias para traçar planos e montar coligações. Com a promulgação, na quinta-feira (18), da Proposta de Emenda à Constituição que abre uma janela de 30 dias para os políticos trocarem de partido sem perder seus mandatos, as especulações em torno das possíveis chapas para 2018 cresceram substancialmente.

O PDT perdeu, em menos de uma semana, três dos seus principais nomes (leia matéria nas páginas 4 e 5), mas já se movimenta para levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima. O objetivo do senador Cristovam Buarque, ao migrar para o PPS, é ser candidato à presidência da República. Em Brasília, cresceu a necessidade de o possível candidato do PPS ao Planalto ter um correligionário concorrendo ao GDF. Celina Leão, nos bastidores, é a mais cotada, embora publicamente afirme que disputará uma vaga de deputada federal. A presidente da CLDF herda votos de Roriz e tem o aval do senador Reguffe, que teve 826 mil votos em 2014 e optou por ficar sem partido por pelo menos um ano.

Em Brasília, a Rede, de Marina, está reforçada pelos distritais Chico Leite e Cláudio Abrantes, ex-petistas. O primeiro trabalha para alçar voos mais altos em 2018 – concorrendo ao governo ou ao Senado. O PDT, que já anunciou Ciro Gomes como candidato a presidente, também pretende formar palanque no DF. O nome do partido para a disputa seria o do secretário do Trabalho, Joe Valle, que está no segundo mandato de distrital.

O PSD do deputado federal Rogério Rosso e do vice-governador Renato Santana tenta se fortalecer e fez convites a vários parlamentares. A maior possibilidade é atrair o distrital Cristiano Araújo, do PTB. A meta é montar um time para eleger Rosso para o Senado e Santana e Karina Rosso (esposa de Rogério) para as Câmaras Legislativa e Federal. O maior sonho de consumo é o atual presidente do Tribunal de Contas, Renato Rainha, que seria o nome do partido para o Buriti.

 

Tradicionais

No bloco dos velhos conhecidos na disputa pelo governo, Arruda, Roriz, Luiz Estevão e Gim Argello estão todos com problemas com a Justiça. Mas devem se unir novamente em torno de um nome. Disputam esse espaço os deputados federais Izalci Lucas (PSDB) e Alberto Fraga (DEM). Este deve mudar de partido.

Pela esquerda, o PT, que sequer conseguiu levar Agnelo Queiroz para o segundo turno em 2014, ainda está indefinido. Mas o deputado distrital Chico Vigilante garante que o partido terá candidato ao Buriti. Geraldo Magela segue alimentando o sonho de ser governador, mas, internamente, quem tem mais chances de ser indicada para a disputa é a deputada federal Érika Kokay.

 


Teori Zavascki decide soltar Delcídio


FHC usou empresa para bancar jornalista na Europa


OAB critica autorização do STF para execução antecipada de pena


Deixe um comentário

Rolar para cima