Abaixo-assinado contra motorista é encontrado em mochila de vítima

BSB Capital 11/06/2016 às 16:28, Atualizado em 09/07/2016 às 3:46

Um abaixo-assinado ainda em branco pedindo providências para segurança no transporte de estudantes foi encontrado nesta sexta-feira (10) entre os pertences dos universitários vítimas do acidente que deixou 18 mortos na rodovia Mogi Bertioga, na noite de quarta-feira (8). O documento sem assinaturas ou nome do condutor, estava endereçado à secretaria de Educação de São …

Abaixo-assinado contra motorista é encontrado em mochila de vítima Leia mais »

Pertences de vítimas estão na delegacia de Bertioga (Foto: Inderson Oliveira/G1)
Pertences de vítimas estão na delegacia de Bertioga (Foto: Inderson Oliveira/G1)

Um abaixo-assinado ainda em branco pedindo providências para segurança no transporte de estudantes foi encontrado nesta sexta-feira (10) entre os pertences dos universitários vítimas do acidente que deixou 18 mortos na rodovia Mogi Bertioga, na noite de quarta-feira (8). O documento sem assinaturas ou nome do condutor, estava endereçado à secretaria de Educação de São Sebastião, cidade onde a maioria dos passageiros morava.

A Polícia agora quer saber quem teria escrito e impresso o documento [veja na íntegra abaixo] encontrado em uma pasta ainda com manchas de sangue. Ainda não se sabe de qual motorista os universitários reclamavam. Em entrevistas ao G1, porém, familiares afirmavam que o condutor que morreu no acidente era alvo de reclamação constante dos estudantes.

O texto do documento aponta que as atitudes de um funcionário estavam colocando em risco a integridade física dos estudantes. “O motorista por várias vezes no trecho da serra da Mogi/Bertioga, em condições de tempo chuvoso e neblina, realizou manobras ilegais e assim colocando em risco as vidas que estavam sob a sua responsabilidade”.

Abaixo assinado foi encontrado em bolsa de estudante (Foto: Solange Freitas / G1)
Abaixo assinado foi encontrado em bolsa de estudante (Foto: Solange Freitas / G1)

O documento cita ainda que por algumas vezes houve atraso de alguns universitários na saída da faculdade e que o motorista do fretado não esperou.

Apesar do termo não mencionar nenhum nome de funcionário, o estudante de engenharia Fabio Gomes Costa disse, na última quinta-feira (9), em entrevista ao G1, que o motorista morto Antonio Carlos da Silva não costumava respeitar os horários pré-estabelecidos.

Fabio não foi à faculdade no dia do acidente, mas a namorada dele, Janaína Oliveira, que estava no ônibus acidentado e foi uma das vítimas fatais, estava. O casal conversou pelo telefone pouco antes do acidente.

“Ele era muito estressado e falava que o horário limite para sair era 22h05 – e na verdade é 22h10 – e corria muito. Geralmente chego em casa meia noite, com ele anteontem [terça] cheguei às 23h35”, revelou.

Como foi o acidente
O acidente ocorreu por volta das 23h desta quarta. Segundo o delegado Fábio Pierry, o ônibus estava acima da velocidade permitida, de 60 km/h, mas a polícia ainda apura outros fatores que podem ter contribuído para o acidente.

“Inicialmente, posso falar que houve excesso de velocidade. Ele [motorista] estava a mais de 80 km/h”, disse Pierry. A viação União do Litoral, responsável pelo ônibus, nega que o veículo estivesse em alta velocidade e diz que o velocímetro registrava 41 km/h no momento do acidente.

Inicialmente posso falar que houve excesso de velocidade. Ele [motorista] estava a mais de 80 km/h. Temos que montar o quebra-cabeça de tudo”
Fábio Pierri, delegado

“Não descartamos que o motorista possa ter dormido. Temos que montar o quebra-cabeça de tudo. A perita afirmou que o ônibus tombou na pista, foi arrastando, arrancando árvores e caiu na valeta”, afirmou o delegado.

A Polícia Civil informou que não chovia e não havia neblina no momento do acidente, mas a pista poderia estar escorregadia. A empresa do ônibus contesta e diz que havia neblina no momento do acidente.

Uma hora antes do acidente, o motorista que dirigia o ônibus, Antônio Carlos da Silva, de 37 anos, avisou a mulher, por meio de uma mensagem de celular, que chegaria mais tarde em casa por conta da neblina na rodovia.

Ônibus tombou depois da curva na rodovia Mogi Bertioga (Foto: Solange Freitas / G1)
Ônibus tombou depois da curva na rodovia Mogi Bertioga (Foto: Solange Freitas / G1)

Um dos sobreviventes disse que o ônibus estava descontrolado. “Na terceira vez que ele repetiu o movimento [de tentar fazer a curva] de forma brusca e invadindo a pista, percebemos que havia algo errado. Começaram a pedir para que colocássemos o cinto. Eu coloquei e aí começou a gritaria, as pessoas se desesperaram e percebi que o meio-fio estava cada vez mais próximo, foi quando capotamos”, disse Wanderson da Silva, de 24 anos.

Segundo a Artesp (agência de regulação), a Viação União do Litoral Transporte e Turismo Ltda está cadastrada para fazer serviço de fretamento.

A vistoria ao ônibus envolvido no acidente ocorreu em 2015 e é válida até 26 de agosto de 2016. A credencial da empresa, que deve ser renovada a cada cinco anos, termina em 31 de outubro de 2016.

Carcaça destruída do ônibus acidentado à noite é vista após ser retirada do local onde parou à beira da pista na rodovia Mogi-Bertioga, na manhã desta quinta-feira (9), na divisa entre Mogi das Cruzes e Bertioga (SP) (Foto: Jonny Ueda/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Carcaça destruída do ônibus acidentado à noite é vista após ser retirada do local onde parou à beira da pista na rodovia Mogi-Bertioga, na manhã desta quinta-feira (Foto: Jonny Ueda/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Equipe do Samu se reúne ao lado de corpos de vítimas colocados cobertos à beira da pista após o acidente envolvendo um ônibus que levava universitários na Rodovia Mogi-Bertioga, no limite entre as cidades de Mogi das Cruzes e Bertioga (Foto: Edu Silva/Futura Press/Estadão Conteúdo)
Equipe do Samu se reúne ao lado de corpos de vítimas colocados cobertos à beira da pista após o acidente envolvendo um ônibus que levava universitários na Rodovia Mogi-Bertioga, no limite entre as cidades de Mogi das Cruzes e Bertioga (Foto: Edu Silva/Futura Press/Estadão Conteúdo)

Identificação dos corpos
A Secretaria Estadual de Segurança Pública informou que a Superintendência da Polícia Técnico Científica enviou uma força-tarefa ao IML de Guarujá, para ajudar na identificação das vítimas.

Além de reforçar as equipes do IML, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) também pediu rapidez nas investigações sobre as causas do acidente e um balanço sobre o quadro de saúde das vítimas estão internadas. Os casos mais graves serão transferidos para unidades especializadas.

Em visita à região de Presidente Prudente na manhã, o governador manifestou solidariedade às famílias das vítimas do acidente.

O prefeito de São Sebastião, Ernane Bilotte Primazzi, lamentou o acidente e informou que a administração municipal disponibilizou assistentes sociais e psicólogos para prestar apoio às famílias.

A Universidade Braz Cubas, em Mogi das Cruzes, que tem alunos envolvidos no acidente,decretou luto nesta manhã.

O município de São Sebastião decretou luto oficial de três dias na cidade, suspendeu as aulas nas escolas da rede municipal nesta quinta e sexta-feira, além de cancelar os eventos programados para o município.

No Twitter, o presidente em exercício Michel Temer disse que está chocando com o acidente na Mogi-Bertioga. Ele disse ainda que vai chamar órgãos de fiscalização para evitar que se repitam “tragédias como essa”.

Caminhão foi retirado do local na manhã desta quinta-feira (Foto: Solange Freitas/G1)
Caminhão foi retirado do local na manhã desta quinta-feira (Foto: Solange Freitas/G1)

Deixe um comentário

Rolar para cima