A psicologia dos sofredores

bsbcapitalPor ,30/04/2016 às 20:22, Atualizado em 09/07/2016 às 3:37

O velho Kalunga alertou-nos: “na terra, quase ninguém vive como Deus gostaria. Ele gostaria que todos vivessem de forma melhor”. Gurdieff, o grande mestre russo, já havia ensinado de forma semelhante: “a única coisa certa é que o homem não aprende”. Não aprende por quê ? Porque, de forma consciente ou inconsciente, sente prazer em …

A psicologia dos sofredores Leia mais »

O velho Kalunga alertou-nos: “na terra, quase ninguém vive como Deus gostaria. Ele gostaria que todos vivessem de forma melhor”. Gurdieff, o grande mestre russo, já havia ensinado de forma semelhante: “a única coisa certa é que o homem não aprende”. Não aprende por quê ? Porque, de forma consciente ou inconsciente, sente prazer em sofrer. Isso mesmo! Prazer em sofrer.

O primeiro tipo de sofredor é o “coitadinho”. Sofre para que se penalizem de sua situação. O segundo tipo é o “revoltado”. Sofre para que lhes dêem razão. O terceiro é o “viciado em queixa”. Apenas reclama e se queixa sem querer ouvir opiniões. Nestes três casos, faça-os verem as suas parcelas de responsabilidade nos problemas e desentendimentos.

O quarto tipo é o “deserdado”. Acha que nasceu para sofrer. Faça-o ver a sua postura de má vontade e pessimismo. Fale-lhe das leis do mérito e dos semelhantes. Fale-lhe dos vencedores e da importância do esforço. O quinto é o “patinho feio”. Sente-se discriminado em relação aos irmãos. Faça-o ver que o suposto preferido é o que dá mais atenção e é mais próximo dos pais.

O sexto tipo é o complexado de inferioridade. O sétimo tipo é o complexado de rejeição. Acha que não pode ser amado ou ter amigos. Nestes dois casos, mostre-lhes que o problema está neles. É dando que se recebe. Ninguém pode lhe fazer feliz ou infeliz. Somente você pode fazê-los com você.

O oitavo tipo é o “pé de espinho”. Com tudo se magoa, se melindra. Ninguém o suporta. Faça-o ver que somos seres imperfeitos. Às vezes agimos de forma desagradável, e que ele também machuca e desagrada.

O nono tipo é o hipocondríaco, sempre falando ou inventando doenças para chamar atenção. Faça-o ver que essa forma o afasta dos demais. O décimo tipo é o “desagradável”. Sempre repetindo o que desagrada. Lembre-lhe do que fala.

Finalmente fale da terra como nossa escola e suas três práticas básicas: Sinceridade nas relações, boa vontade e solidariedade.

 


A vida não tem sentido?


Superando as frustrações afetivas


 A profecia de Dom Hélder Câmara


 

Deixe um comentário

Rolar para cima