A fé vai recuperar o Nepal

bsbcapitalPor ,02/05/2015 às 19:53, Atualizado em 02/05/2015 às 19:53

Dalai Coutinho (*) Era madrugada aqui no Brasil, mas no Nepal já era final da manhã do dia 25 de abril. São oito horas e 45 minutos de diferença. Havia voltado há 12 dias de Katmandu para Brasília. No começo não achei que fosse um terremoto de tamanha magnitude. Mas, com o passar das horas, o número de …

A fé vai recuperar o Nepal Leia mais »

Dalai Coutinho (*)

Era madrugada aqui no Brasil, mas no Nepal já era final da manhã do dia 25 de abril. São oito horas e 45 minutos de diferença. Havia voltado há 12 dias de Katmandu para Brasília. No começo não achei que fosse um terremoto de tamanha magnitude. Mas, com o passar das horas, o número de vítimas só aumentava. Já são mais de cinco mil mortos e dez mil feridos.

No segundo dia me dei conta de lembrar das pessoas que conheci por lá. Vishal, Manuj, Bikash… Jovens que trabalham em uma organização que ajuda estrangeiros a realizar trabalhos voluntários no Nepal, como eu fiz por um mês. Eles nos acompanhavam nos projetos e traduziam, explicavam a cultura, brincavam… Lembrei-me dos asilos e orfanatos por onde tentamos fazer a diferença… Do lugar onde morei e como sempre as crianças das casas vizinhas gritavam pra gente falar “oi” ou qualquer outra coisa em inglês, sempre sorridentes.

nepal_equipes-resgate22É muito triste ver as fotos daquelas ruas, que embora fossem muito sujas, tinham alegria na simplicidade. As casas amontoadas, devido à grande densidade populacional, deixam pouco espaço para pedestres e carros. Aquelas ruas agora estão cheias de escombros. O sentimento é de medo de voltar pra casa. Muitos dormem nas ruas esperando que a ameaça acabe de vez. Mais tremores aconteceram depois de sábado. E as 72 primeiras horas seguintes são muito importantes para encontrar sobreviventes.

Leia também

Destruição e morte assombram o Nepal

Em Brasília, amigos se mobilizam para ajudar vítimas de terremoto no Nepal

Não existia nenhum preparo para esse tipo de tragédia, embora historicamente eles já tivessem sofrido com isso. Já reconstruíram cidades antigas e templos grandiosos. Já precisaram se reerguer. O Nepal que conheci era pobre mas alegre, muito alegre. O epicentro do terremoto de magnitude de 7,8 foi entre as duas principais cidades do país – a capital Katmandu e Pokara, cidade turística onde existe um lago enorme.

Imagino que toda a falta de estrutura para coisas básicas, como distribuição de água, agora esteja fazendo falta. As estradas são terríveis. Subindo e descendo montanhas, com um paredão de um lado e um precipício do outro. O país está encurralado. Fechado por dentro.

A precariedade também é vista no aeroporto. Poucos conseguem sair de lá, porque a prioridade é para aeronaves que transportam mantimentos e sobreviventes. E mesmo com muitos países querendo ajudar, nem todos conseguem. Apenas oito aviões de grande porte cabem na pista de um quilômetro. Países vizinhos, como Índia e Bangladesh, também atingidos, estão de prontidão.

Mas de alguma forma sei que eles têm a força necessária para sair dessa. Eu vi e senti isso nos templos, nas ruas, nas casas. Esta é mais do que a impressão. É a certeza de um estrangeiro que tatuou na pele a marca desse povo: a fé!

(*) Especial para o Brasília Capital

 

Leia Mais:

Itamaraty faz contato com 183 brasileiros no Nepal e todos passam bem

Terremoto no Nepal: número oficial de mortos sobe para mais de 4 mil

Deixe um comentário

Rolar para cima