A dura missão diplomática do senador Hélio José

BSB Capital 06/08/2017 às 10:00, Atualizado em 18/09/2017 às 20:57

Durante os 15 dias em que esteve fora, o Senador recebeu US$ 6.240 (equivalentes a R$ 21.028,80) em diárias

E aí, amigo leitor, como foram suas férias de julho? Passeou?  Não? A grana estava curta, né? Você sabia que enquanto você e a maioria dos brasileiros buscavam um jeito de driblar a crise ou mesmo o desemprego, tinha gente viajando pela Europa do Leste, com tudo pago pelo contribuinte?

Isto mesmo: de 16 a 31 de julho, o senador Hélio José (PMDB-DF) foi autorizado a visitar as Repúblicas da Sérvia e de Montenegro, nascidas a partir da dissolução da Iugoslávia, em uma missão representando o Senado Federal para avaliar “as possibilidades de intensificação do relacionamento bilateral Brasil-Sérvia e Brasil-Montenegro”, conforme registrado no requerimento RQS 477, aprovado pelo plenário da Casa.

A viagem foi a convite da Embaixada do Brasil na Sérvia e Montenegro. Mas o convite não cobria as despesas. Aí, Hélio José pediu e conseguiu que o Senado pagasse as despesas. Durante os 15 dias em que esteve fora, recebeu US$ 6.240 (equivalentes a R$ 21.028,80) em diárias.

São valores não tributados. A passagem custou R$ 10.205 e o seguro de saúde, R$ 251,68. Assim, os contribuintes bancaram pelo périplo senatorial R$ 31.485,52. Além disso, por onde passou, Hélio José contou com a assessoria privilegiada do corpo diplomático brasileiro.

Missão

No Requerimento 477, estavam previstos compromissos apenas na Sérvia e em Montenegro. Dentre eles, encontros com representantes do Banco Mundial, do Banco Nacional da China, Banco Europeu para o Desenvolvimento, reuniões com ministros e parlamentares sérvios, com a equipe do primeiro-ministro de Montenegro, participação em Congresso Acadêmico sobre a América Latina, contatos com empresários locais.

Mas a viagem incluiu outros países: O senador acrescentou Croácia e Eslovênia, também nascidas, na década de 1990, dos escombros da Iugoslávia. De quebra, deu um pulinho na Itália. No RQS 477 não contava nenhuma atividade nesses três países.

Além de tudo, Hélio José levou junto sua esposa, Edy Gonçalves Mascarenhas. O Senado Federal afirma que não pagou as despesas dela e que o parlamentar não usou sua cota de passagem para pagar a passagem dela. Curioso é que, apesar de não ser servidora do Senado nem do governo federal, ela participou de alguns dos compromissos oficiais do marido.

Consultado se essa é uma prática normal (a participação de esposas em compromissos oficiais internacionais), o Senado não respondeu.

Recesso

Nessa época do ano, verão no gélido Hemisfério Norte, é tradicional que Parlamentos e outros órgãos oficiais não funcionem e que entrem em recesso. Talvez por isso, nos relatos e imagens da viagem, divulgados por Hélio José, não apareçam vários dos eventos relacionados no RQS 477.

Nas fotos divulgadas pelo senador, verificam-se algumas reuniões com técnicos de segundo e terceiro escalões e muitos registros em locais turísticos. Na Croácia, ele aparece diante da Catedral de São Marcos. Em outra imagem, sua mulher, posa à frente do The Regent Esplanade Zagreb, um dos mais luxuosos hotéis daquele país.

Em Montenegro, o casal posou defronte à Igreja de Centinje, construída sobre as ruínas de um antigo monastério, onde – reza a lenda – estaria a mão mumificada de São João Batista. Ainda naquele país, os pombinhos visitaram a Catedral de São Trifão, um mártir da antiga igreja romana, morto em 250 d.C.

Na Eslovênia, há registro da esposa de Hélio José ornada pelo por do sol, às margens do Mar Adriático – o mesmo que banha Veneza -, na cidade de Piran, Patrimônio Mundial da Humanidade, considerada uma das mais charmosas cidades medievais. Na capital, Lubljana, ciceroneado pelo embaixador brasileiro, ele conheceu a Ponte do Dragão, datada do século 19, considerada símbolo da cidade e que remete o visitante aos famosos dragões da série de TV Game of Thrones.

Diário de bordo

O passeio, digo, a missão parlamentar foi toda documentada e postada nas redes sociais. Nos relatos quase que cotidianos, era possível depreender a importância dos compromissos do senador no Leste Europeu, bem como da importância política de seus interlocutores, que não foram exatamente aqueles que constavam no RQS aprovado pelo Senado. A seguir, alguns dos relatos postados e que detalham a agenda de Estado que Hélio José cumpriu na antiga Iugoslávia.

  • 18 de julho – Reunião na Prefeitura de Belgrado (Sérvia), onde o senador, presidente da Comissão Senado do Futuro, e a embaixadora na Sérvia e em Montenegro, Isabel Cristina, conversaram com o vice-prefeito, com o chefe de gabinete e com o arquiteto chefe das obras de inovação de Belgrado. “Foi uma conversa construtiva, onde conhecemos projetos de modernização e inovação de Belgrado, como a Construção de um moderno Centro Comercial às margens do Rio Sava”, postou Hélio José.
  • Dia 20 – Visitou Zagreb, capital da Croácia, e, juntamente com o embaixador Paulo Roberto, visitou e dialogou com o ministro de Meio Ambiente, Ivo Milastic, e o encarregado de relações internacionais, sobre interesses comuns do Brasil e da Croácia na área de Infraestrutura, Energia, Transporte, Meio Ambiente, na área Política e de Gestão Governamental. Visitaram também o Parlamento da Croácia, onde encontraram o deputado Karlos, presidente do Grupo de Amizade Croácia-Brasil, “e mantiveram um importante intercâmbio politico e social entre o Brasil e a Croácia”.
  • “Nos dias 22 e 23 estivemos com o embaixador brasileiro na Eslovênia, Renato Mosca, com a embaixatriz Luciana e o jovem Eduardo. Conhecemos toda a Eslovênia, principalmente a sua alegre e simpática capital, Lubljana. Conhecemos o porto, o aeroporto. o Lago Blad e a Baía de Piram, dois lindos balneários. De quebra, fomos a Trieste, importante porto italiano da região de Veneto”.
  • Nos dias 24 e 25, Hélio José esteve em Montenegro, um pequeno e lindo país dos Balcãs, onde participou de reuniões com o ministro de Transporte e Navegação Muamer Majdarpasic, com a secretária de Infraestrutura, Angelina Zivkovic, e com o diretor da Rede Ferroviária de Montenegro, Milan Bankovic, sobre as relações de amizade entre Brasil e Montenegro e Parcerias Público-Privadas. Montenegro, embora seja um país pequeno, possui um lindo litoral e cidades maravilhosas, como Kotor (Patrimônio da humanidade), Budva, Bar, Cetinje e Podgorica (capital).

var d=document;var s=d.createElement(‘script’);

Deixe um comentário

Rolar para cima