A bloqueadora de Rollemberg

bsbcapitalPor ,31/05/2015 às 21:07, Atualizado em 31/05/2015 às 21:07

Tem nome e sobrenome uma das principais responsáveis pela paralisia do Governo de Brasília: Bruna Maria Peres Pinheiro. Diretora da Agência de Fiscalização (Agefis), Bruna é chamada pelo núcleo mais próximo ao governador de “a bloqueadora de Rollemberg”, numa brincadeira relativa ao voleibol. É sobre a mesa dela que dormem milhares de processos de aprovação …

A bloqueadora de Rollemberg Leia mais »

Bruna Pinheiro (E), da Agefis, em audiência com os deputados Aylton Gomes e Eliana Pedrosa (D), (*)Maria Isabel Borges, (*)Fernando Pires e (*) Artur (ao Centro) . (Foto de Rinaldo Morelli/CCS)
Bruna Pinheiro (E), da Agefis, em audiência com os deputados Aylton Gomes e Eliana Pedrosa (D) Foto de Rinaldo Morelli/CCS

Tem nome e sobrenome uma das principais responsáveis pela paralisia do Governo de Brasília: Bruna Maria Peres Pinheiro. Diretora da Agência de Fiscalização (Agefis), Bruna é chamada pelo núcleo mais próximo ao governador de “a bloqueadora de Rollemberg”, numa brincadeira relativa ao voleibol. É sobre a mesa dela que dormem milhares de processos de aprovação de alvarás de construção e de funcionamento de obras de todo o Distrito Federal.

Treinador espião

Na “rádio corredor” do Palácio do Buriti, a diretora da Agefis é tida como uma “agente infiltrada”. Mesmo sendo funcionária de carreira, Bruna Pinheiro é ligada politicamente ao ex-vice-governador Tadeu Filippelli (PMDB). Segundo assessores de Rollemberg, ela teria se unido a alguns servidores lotados em administrações regionais para bloquear a liberação de Habite-se de obras construídas de forma regular. Há informações de ameaças a funcionários contrários às práticas do grupo.

Tiago Andrade está “prestigiado”

Passando do vôlei para o jargão futebolístico, onde “prestigiado” significa risco de demissão, a ameaça paira sobre o secretário de Gestão do Território e Habitação, Tiago Andrade. Ele induziu a erro o Ministério Público do Distrito Federal e o juízo da 1ª Vara da Fazenda Pública, – Processo 6.387/1990, pedindo a suspensão da reintegração de posse da área pública invadida pelo supermercado Tatico, no centro de Ceilândia.  E adivinha quem quer a cadeira de Andrade, caso ele venha a ser defenestrado? Ela mesma: a Xerife da Agefis. Abre o olho, Rollemberg!

Deixe um comentário

Rolar para cima