O peregrino de Taguatinga. Entrevista com o administrador Ricardo Lustosa            

orlandopontesPor ,06/06/2016 às 17:05, Atualizado em 09/07/2016 às 3:39

Administrador já morou em vários setores e diz saber as necessidades dos moradores “de tudo quanto é lugar da cidade” Na manhã de 11 de maio, o administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa, recebeu o Brasília Capital para falar de seus projetos e dos presentes que pretende dar à cidade que completa 58 anos de fundação …

O peregrino de Taguatinga. Entrevista com o administrador Ricardo Lustosa             Leia mais »

24198551355_dcea4b5677_o
Foto: Tony Winston/Agência Brasília

Administrador já morou em vários setores e diz saber as necessidades dos moradores “de tudo quanto é lugar da cidade”

Na manhã de 11 de maio, o administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa, recebeu o Brasília Capital para falar de seus projetos e dos presentes que pretende dar à cidade que completa 58 anos de fundação no domingo, 5 de junho. Nascido e criado em Taguatinga, Lustosa reside no setor QNE, “mas já morei na QNA, na QNF, na CSB… e isso me dá experiência e conhecimento das necessidades de tudo quanto é lugar de Taguatinga”.

Lustosa se diz muito orgulhoso por ser o 40º administrador e ter assumido a função com 40 anos de idade. “Acredito que esses números não são mera coincidência. Acredito que estou preparado para este momento. Quando fui convidado, passei a ter a sensação de ser responsável pela cidade”.

O administrador conta que sua mãe (na verdade, uma tia que ajudou a criá-lo, a quem ele trata como mãe) tem 91 anos, e quando caminha pelas ruas reclama da falta de calçadas. Ela fala: “É um absurdo não ter calçada para a gente andar”. E o administrador declara: “Então, você começa a perceber que a nossa cidade envelheceu. E envelheceu sem qualidade de vida, sem respeito. A mobilidade urbana é o principal problema de Taguatinga, a população perdeu a autoestima”.

Casado com a também taguatinguense Flaviana, pai de dois – Artur Henrique, 10 anos, e Ana Luiza, 16. Ricardo Lustosa é filho de dois funcionários públicos aposentados – o pai pela Câmara dos Deputados e a mãe pela Secretaria de Saúde. O casal chegou a Taguatinga em 1971, vindo de Ceres, Goiás. “Nossa família é pequena. Somos apenas cinco irmãos, mais três de criação – um já falecido, Davi”, brinca. Ele diz, ainda, que sua terceira mãe é a sogra, “uma baiana bem bacana”.

Evangélico da igreja Ministério da Fé, cuja sede fica em Taguatinga, Lustosa acredita que para tudo existe uma vocação. Filiado ao Solidariedade, mesmo partido de sua madrinha política Sandra Faraj, “por uma questão de solidariedade”, ele diz que “ninguém está mais aguentando a forma como se faz política e se trata a coisa pública no Brasil”.

Formado em Direito e Arquitetura e com experiências profissionais no mercado imobiliário, Lustosa também tem uma história empresarial. Trabalhou na JC Gontijo, na Via Engenharia, na Encol, na Construtora Líder e depois montou a própria empresa de gestão de condomínio.  “Para mim, isto daqui é uma missão, eu me sinto abençoado também por estar aqui neste momento”.

Ele garante não ter pretensões políticas. “Prefiro estar nos bastidores e ser útil e efetivo. Para mim, isso vale mais do que ser protagonista e não fazer nada. A deputada Sandra Faraj já representa bem Taguatinga”, enfatiza.

 

Confira a entrevista com o administrador de Taguatinga, Ricardo Lustosa,

 

Mudanças para mudar a imagem de Taguatinga

Algumas ações pontuais nós já fizemos. Há dois anos, o centro de Taguatinga estava tomado por ambulantes. Era um número absurdo, mais de 600 ambulantes que “vestiam” o centro, e ninguém conseguia ver as portas das lojas. Fizemos uma ação de governo muito forte e conseguimos tirar os ambulantes. O problema é que, quando saíram, foi mostrada outra realidade: uma cidade feia, velha, poluída visualmente. Então, nós começamos a focar num planejamento estratégico, de devolver a beleza da cidade. Algumas ações foram aceleradas. Começamos a pôr em prática a construção do túnel do centro de Taguatinga, que é uma polêmica, mas também uma solução.

Túnel e outras obras

O túnel começará após o viaduto na entrada de Taguatinga. Ao descer o viaduto, já mergulha no túnel e sai no viaduto da Samdu, que será alargado. Será uma grande obra. Vai ser feito isso para possibilitar trânsito livre, que atualmente não temos. A previsão do túnel é que comece daqui a três meses. O centro vai sofrer uma grande intervenção no período de obra, que vai durar um ano e oito meses, embora eu estime em 24 meses, por questão de chuvas ou alguma outra dificuldade maior.

Tatuzão

Usaremos uma tecnologia não destrutiva, cavando por baixo. O túnel vai ser feito paralelo à linha do metrô. O atual viaduto da Samdu será implodido para construirmos um novo, com seis faixas, que dará vazão necessária ao trânsito no local. O túnel será usado para quem não precisa vir para Taguatinga. Esses veículos passarão por baixo e seguirão para o Plano Piloto, num sentido, e para a Ceilândia, no outro. Isso  desobstruirá o centro da cidade.

Sistema binário

O projeto inclui o alargamento de faixas e a construção de ciclovias. O túnel é uma grande intervenção, mas, para que ele funcione, é preciso migrar para um grande sistema de mobilidade, que é o sistema binário. Ou seja, tornar as Avenidas Comercial e Samdu em um só sentido. Mas esse projeto sofreu uma ação judicial, que o GDF ganhou. Houve ainda um recurso, e o GDF ganhou novamente. O juiz entendeu que não tem mais como a cidade permanecer da forma como está.

Comércio

De cada 10 lojas na Avenida Comercial, quatro estão fechadas e outras duas ou três caminham para fechar. Não é o trânsito que está levando à crise, mas sim uma crise generalizada. Entretanto, a cidade não está preparada para mudanças. Se nós não adotarmos o sentido binário nas nossas vias, nunca Taguatinga terá um VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Nós vamos continuar na era glacial.

VLT

Esse VLT passaria pela Comercial e pela Samdu fazendo um grande circular. Imagina quantos ganhos a cidade teria! A ideia é humanizar Taguatinga com projetos de paisagismo, calçadas mais largas. Queremos colocar a questão da ciclovia como essencial para uma cidade plana como a nossa. Isso facilitaria muito para as pessoas, porque 60% das pessoas moram, estudam e trabalham em Taguatinga.

Verba garantida

Primeiro: crise é oportunidade. Segundo: a verba do túnel já foi assegurada pelo financiamento do Banco do Brasil. São R$ 200 milhões. Incluindo as ampliações de viaduto, inversão de sistema de trânsito binário, construção de calçadas, melhorias nas avenidas Elmo Serejo e Hélio Prates, o total de investimentos para Taguatinga, neste ano, já garantidos pelo Banco do Brasil e pela Caixa Econômica, é de R$ 600 milhões. Esse dinheiro já está disponível.

A Secretaria de Estrutura e Mobilidade e o GDF já assinaram esses documentos, e esses recursos já estão disponíveis para Taguatinga. Talvez seja, na história, um dos maiores investimentos que Taguatinga já recebeu. Paralelo a isso, nós trabalhamos com planejamento. Nós estamos aqui com um pacote de, mais ou menos, 30 obras que vão vir com recursos de emendas parlamentares.

Poluição visual

Além dessas obras, precisamos fazer o aterramento da rede elétrica. Precisamos tirar esse emaranhado de fios que colabora para a poluição visual da cidade. As vagas que hoje existem, não serão alteradas. Elas só irão mudar de sentido. Na sequência, temos a questão de um replanejamento dos engenhos publicitários. São as placas que ninguém mais aguenta. Faremos um estudo e vamos apresentar para a comunidade um remanejamento disso. Não tem como admitir esses outdoors gigantes e nem essas placas enormes de propaganda de lojas que só poluem a cidade. Vamos propor, trabalhar e agir em cima disso, para que a cidade tenha um padrão visual.

Reordenamento Urbano

A minha gestão não está preocupada em fazer obras desnecessárias, construir uma quadra de esporte onde ninguém vai jogar bola, por exemplo. Nós temos muitos lugares construídos que ninguém usa e que servem como ponto de usuários de drogas. A nossa ideia é um reordenamento urbano.

Estou fazendo um estudo que vamos apresentar à Terracap e à Segeth para acabar com alguns becos e algumas áreas verdes. Essas áreas abandonadas podem ter uma destinação, ou para uma instituição privada onde faremos uma parceria público-privada. Temos muitos becos na QSD, na QSA, na QNA e na QND. São áreas sem proveito algum.

Estamos pensando em remanejar para esses locais alguns equipamentos públicos. Os postos policiais que hoje ficam no meio do nada poderiam muito bem ir para uma área como essas. Às vezes é colocado um posto numa área não proveitosa. É só colocar esses postos em áreas perto da comunidade. Eu preciso de postos para a polícia, pro SAMU.

Romântico futurista

O nosso pensamento é repensar Taguatinga. Uma pessoa me disse: “Você é muito romântico, é muito futurista”. Mas, na verdade, eu não estou pensando no meu momento como administrador. Estou pensando na minha eternidade como taguatinguense, que é uma coisa que não vai mudar. Até o dia que eu morrer, vou ser taguatinguense. O nosso pensamento é entregar, para quem virá posteriormente a nós, um planejamento estratégico, uma cidade pensada.

Sandra Faraj

Costumo dizer que não misturo a relação política da deputada com o governador Rodrigo Rollemberg. Sou um técnico. Faço um trabalho político, mas sou técnico. Estou aqui na minha posição, jogando a bola na minha posição. Estou aqui para trabalhar e não para entrar no detalhe político. Isso é polarizado entre a Câmara e o Buriti. O meu governador, Rollemberg, é o governador de Brasília. É uma pessoa que eu vejo a força que tem feito para mudar o retrospecto que recebemos da cidade. Mas a nossa relação é de trabalho e de resultados. Costumo dizer que eu não sou o governo de Taguatinga, eu sou Taguatinga no governo.

Motivos para comemorar

A cidade tem muitos motivos para comemorar. Vamos aproveitar o aniversário para fazer o lançamento de novidades que serão feitas em Taguatinga. Vamos dar esse grande presente para a cidade. Além desses investimentos macros, em grandes estruturas, como obras de drenagem de águas pluviais, asfaltamento de vias, R$ 200 milhões para o viaduto, R$ 200 milhões para o túnel e mais R$ 200 milhões para recuperação da Hélio Prates, que vai beneficiar Taguatinga e Ceilândia.

Hélio Prates

Na Hélio Prates será feito um repaginamento até chegar ao Sol Nascente.  Outros investimentos serão: construção do estacionamento da CDL, ao lado do Paradão; reforma das Feiras Permanentes da QNL e da M-Norte, que estavam totalmente abandonadas e paradas. Não tinha individualização de hidrômetro e já está praticamente construída; construção de cobertura na QNL 24, quadra na Chaparral, onde a comunidade não tinha nenhum tipo de prática de esporte; construção de campo sintético na QNL 1. Estou dando mais atenção para a parte norte porque é a parte que realmente precisa. Aliás, M-Norte e QNL não pareciam que estavam em Taguatinga, eram extremos. Essas obras serão feitas todas com recursos de emendas da deputada Sandra Faraj. São R$ 10 milhões. Sandra é filha de Taguatinga, nascida no Hospital São Vicente de Paulo. Outros deputados também estão investindo: Bispo Renato, Wasny, Chico Vigilante. Nosso relacionamento com a Câmara é muito bom. Taguatinga é a única administração que tem esse “cachê”.

Skate Park

Estamos refazendo no Taguaparque o antigo skate park da Praça do DI. O do DI está sub-júdice. Quando essa questão for resolvida, reconstruiremos a pista de skate lá. Queremos, também, reformar a Praça do Relógio, que está abandonada e é o maior símbolo da nossa cidade, o cartão postal de Taguatinga. Vamos recuperar o piso, a fonte, o prédio da Administração.

Agenda com comunidade

Tenho algumas rotinas. A primeira é pelo whatsapp, que eu chamo de administrador-ouvidor. É o 9911-7052, pelo qual a comunidade fala comigo diretamente no aplicativo. Eu até brinco falando para não me mandar mensagem de Natal; me manda problema, me manda buraco, me manda confusão. Faço também um trabalho muito dinâmico, atendendo aqui no gabinete, pessoalmente. Todas as terças, abro o gabinete. A pessoa é atendida por ordem de chegada, independentemente da pauta, tanto o grande empresário quanto a dona de casa. Faço o gabinete itinerante, pego os responsáveis pelos principais setores da administração e vou a determinados locais. Recentemente, estive na Vila Dimas, na QSC, na Praça da CNF. Já estive na M-Norte e na QNL.

Mensagem de otimismo

No dia que eu assumi, uma pessoa me perguntou: “quem é você?”. Eu respondi da seguinte forma: “eu sou o ambulante, eu sou a dona de casa, sou o vendedor da loja, eu sou o motorista de ônibus, sou o jardineiro. Eu sou taguatinguense”. Então, eu acho que estamos no melhor momento que Taguatinga já teve na sua história. É tempo de mudarmos, e toda mudança é positiva. Quando eu mudo, tudo muda. Eu me sinto muito entusiasmado com essa cidade, sou apaixonado por ela e minha mensagem para cada taguatinguense é: vamos amar Taguatinga. Vamos acreditar em Taguatinga. Vamos construir, juntos, uma nova Taguatinga.

 


Detran estabelece mudança no trânsito de Taguatinga antes da data prevista


Muro começa a ser erguido no primeiro andar do Torre Palace Hotel


Administração do Sudoeste e Octogonal retira faixas e parte coração de apaixonado


 

Deixe um comentário

Rolar para cima